Por que Smash Bros. Ultimate não vai substituir o Melee?

Eu assisti à este vídeo e senti que deveria compartilhar os meus pensamentos sobre o assunto que ele aborda.

Como fã de longa data de Smash e entusiasta da competição desde 2005, eu posso dizer que, em termos de comunidade, Melee tem uma comunidade bastante unida, vocal e forte, que valoriza aspectos do design de Melee que não se encontram em jogos modernos da série. Para muitas pessoas, Melee é o pináculo dos platform fighters, um jogo com elementos que os diferenciam completamente dos jogos de luta mais tradicionais, conforme mencionado no vídeo acima.

É comum eu encontrar em comunidades sobre Nintendo na internet muitos fãs casuais de Smash que não entendem a cena competitiva e a predileção por Melee quando nós temos jogos mais modernos com mais conteúdo, personagens, comodidades de jogo como escolher entre seis controles diferentes no Smash 4 para jogar e etc., além de tanto o S4 quanto o Ultimate tentarem se aproximar mais de jogos de luta tradicionais, não somente por conta de mecânicas e técnicas como também a inclusão de formas padronizadas de Battlefield e Final Destination para todos os estágios e uma muito aguardada opção para o desligamento de stage hazards entre outros tweaks pra fazer as partidas 1 contra 1 se sentirem mais como em um jogo de luta tradicional.

Enquanto isso em Melee, um jogo nunca concebido para ser competitivo e que foi levado aos limites por fãs que, assim como todo mundo, gostava de itens e free-for-all (coisas que os fãs casuais usam pra criticar o competitivo), nós tínhamos liberdade, o jogo oferecia liberdade para ser empurrado aos seus limites e liberdade para mudar as regras como quiséssemos. E não somente a liberdade mas também a filosofia de design favorecia isso.

O criador de Smash, Masahiro Sakurai, já explicou em uma entrevista recente que cada Smash foi concebido com uma filosofia diferente conforme a época em que cada um foi concebido. Melee por exemplo tinha como principal filosofia ser superior ao primeiro jogo em todos os aspectos possíveis, por isso tínhamos mais personagens, melhores gráficos, mais capricho no departamento musical e uma variedade de modos de jogo, assim como também entra nessa filosofia a quantidade de coisas que se pode fazer nas batalhas. Melee introduziu os side specials, spot dodge, air dodge, smashes carregados, smooth landing (conhecidos como L cancel), dash dance, e ainda abriu margem para os jump cancels, shffl’d, tech chase entre outras técnicas específicas para alguns personagens, como o missile cancel da Samus, shine spike do Fox e short hop blaster do Falco.

Quando Brawl foi concebido, era uma época em que a Nintendo investia muito em jogos que todos pudessem jogar, por isso Brawl se opôs a tudo que Melee trouxe e simplificou o jogo até o seu core, removendo algumas técnicas e facilitando as que ficaram, junto à uma redução tremenda na velocidade do jogo. Aos que cresceram jogando Melee isso foi como um balde de água fria, foi como se a Nintendo tivesse jogado pela janela tudo que fez de Smash um jogo competitivo único comparado aos fighters tradicionais. É totalmente compreensível o porquê da rejeição ao Brawl pelos jogadores mais hardcore.

E aos que tanto acham ruim que Melee esteja vivo até hoje, aqui vai uma história, o jogo chegou a morrer em 2008, a rejeição pelo Brawl foi tremenda e fez muitos dos jogadores da época desanimarem e pararem de jogar. Foi só em meados de 2009 que em um campeonato organizado apenas pelo saudosismo que o jogo foi lentamente ressucitado e começou a atrair as atenções de outros jogadores até se reerguer e se tornar o Smash mais popular.

Chegamos no S4 e no Ultimate, ambos desenvolvidos pela Bandai Namco, dessa vez em um tempo onde Smash competitivo é uma coisa difícil de ignorar e que de uma forma ou outra iria influenciar no desenvolvimento. Alguns acham que Smash 4 foi feito com uma visão deturpada do competitivo por causa de coisas como estágios ômega e modo For Glory, mas na verdade o que o jogo fez foi tentar, como dito antes no vídeo acima, conciliar Smash com fighters tradicionais. Quem não gostou do Brawl já achou S4 um jogo melhor, já que alguns dos facilitadores se foram, o jogo é mais balanceado e mais rápido, porém ainda não é o suficiente para apelar aos jogadores de Melee, o Ultimate de cara muda muita coisa do S4, adiciona mais técnicas e aumenta a liberdade do que se fazer nos combates, porém assim como S4, Ultimate tenta se espelhar em jogos de luta tradicionais, embora tenha se mostrado mais técnico e menos limitado que os dois antecessores, essas novidades apelaram bem para jogadores de Melee, especialmente pra nomes famosos do cenário como Armada e Mango.

Então por que mesmo com tudo isso o Ultimate não vai substituir o Melee? Eu diria que é uma combinação da força de sua comunidade vocal e unida combinado com o brilho único daquele jogo. Como eu disse antes, Melee é pra muitos jogadores o pináculo dos platform fighters e pra eles a demanda por um novo Smash que se jogue mais como Melee vai ser sempre uma constante.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s